esmiuçando o amor e as leis da atracção

esmiuçando o amor e as leis da atracção

Malta, já ouviram aquela laracha sobre o amor ser um sentimento superior, uma epifania transcendente, uma enteogénese que nos abre caminho, à semelhança duma teimosa escavadora perante entranhas de alguém subnutrido em ferro, à lisergia inebriante da obsessão e plenitude?

Pois bem, é tudo mentira.
Não passamos de animais com a mania das grandezas que gostam de rotular cognitivamente as nossas activações biofisiológicas e hormonais, tradição a qual tem sido perpetuada até aos dias de hoje, começando com Adão ao julgar sentir ciúme, e portanto amor, quando a Eva se insinuou ao Azazel em troca de comida.

Como diria o Tyler Durden no Fight Club:
Somos uma geração de homens criados por mulheres“.
Elas já o eram, e também os homens estão agora impregnados e conspurcados por estas coisas do amor verdadeiro e a sua alegada inexplicabilidade.

Proponho-me com este post, desmistificar este grande conto-de-fadas e…

fallenprincesses

apresentar-vos a realidade (biológica).

Canto I – genitália e sexo

“Quando se trata de sexo, as mulheres precisam de uma razão; os homens precisam de um lugar.”

O que é verdade.
Considerando que os homens têm 10 a 20 vezes mais testosterona que as mulheres, e que o hipotálamo (cerejazita no cérebro que está por detrás do desejo sexual) dos homens também é maior que o das mulheres e homossexuais, é natural que os homens gostem de praticar o coito.

(Por esta mesma razão, é mais fácil as mulheres manterem-se fiéis.)

Outra coisa é o darwinismo aplicado à sexualidade. Desde os primórdios dos tempos que os homens foram encarregues de assegurar a sobrevivência da espécie. Ou seja, um homem olhar para todo o rabo que passe é saudável, é o instinto de proliferação da espécie. Os próprios orgasmos masculinos foram desenhados para serem atingidos num curto espaço de tempo, diminuindo a probabilidade de sofrer um ataque por outro animal.

Isto só pode levar a uma conclusão: a monogamia masculina é cultural. O homem está desenhado para “povoar”.

Mas calma lá, se depois disto ficaram a achar que elas são umas santas, então aqui vão duas razões para mudarem de ideias:

a) Como podem ver no gráfico abaixo, o apetite sexual varia com a idade e com o sexo. E enquanto é verdade que nos 20-30 elas não percebem porque os homens só querem fornicar, a situação já é diferente na faixa 30-40, onde as mulheres mostram ser umas autênticas doidas sedentas de intimidade lasciva e carnal, superando até os homens! A nível biológico isto pode ser explicado como um último aviso da natureza, como se dissesse: “ultima oportunidade para empranhar”.

libido

b) Nós possuímos uma área cerebral especializada no domínio das emoções chamada sistema límbico. O engraçado sobre isto em relação às mulheres é que durante o coito, elas padecem de uma activação muito menor do sistema límbico do que os homens! Ou seja, as mulheres perante um estímulo desencadeante de excitação sexual demonstram uma menor activação emocional neuroimagiológica. E esta hein? Apesar de ainda estar a ser alvo de estudo, não deixa de ser contra-intuitivo.

Outro pormenor engraçado é relativo aos orgãos sexuais. Apenas para vossa curiosidade, mirem a figura abaixo.

semelhgenit

Como vêem, há semelhanças.
Por exemplo, o clitoris é constituído pelo mesmo tipo de tecido fibroso e eréctil que a glande do pénis, com a única diferença ser o tamanho, o que a meu ver, é a prova final que os homens são os preferidos pelas divindades.

Para acabar este canto em beleza e visto que falei em imagiologia e sexo, maravilhem-se com o seguinte video (se quiserem ir directos à acção – 1:38):

Canto II – leis da atracção

Já vimos que o sexo é um conjunto de pulsões, urges, vontades, desejos primários controlados por hormonas (mulheres+homens) e instintos (homens).
Sim, somos animais, mas e antes do sexo?

wonderbra

Porque gostam os homens de rabos, mamas e pernas?
Fertilidade. Há algo de primitivo e exótico na imagem de uma mulher a dar à luz. O nascimento, a proliferação da espécie, a paternidade. Há algo nisso tudo que nos apela a um nível central básico. Deste modo, os homens apreciam figuras que lhe transmitam inconscientemente fertilidade, como longas pernas, rabo saliente e mamas com ar de quem consegue dar conta do recado quando a fase do aleitamento chegar.

Porque gostam as mulheres de ombros largos, peito e braços musculados, rabo pequenito e pernas musculadas?
Se pensarem, esta é a figura primordial dum homem caçador. O torso musculado e amplo está associado à capacidade de protecção e dominância. O fascínio pelo traseiro pequenito vem pela ideia que o homem em questão transmite à mulher de conseguir efectuar um thrusting competente aquando o acto de reprodução, meio à semelhança da questão da fertilidade supracitada. Do mesmo modo que o tronco forte é sinónimo de poder e resistência, também as pernas musculadas transmitem essa ideia.

Porque a cara é tão importante?
Porque os opostos físicos se atraem. Os homens geralmente preferem narizes pequenos, queixos pequenos e ventres lisos, na medida em que eles próprios têm as características opostas. Do mesmo modo, as mulheres preferem o oposto nos homens: ombros largos, ancas estreitas, pernas e braços mais fortes, queixos proeminentes e um nariz que se veja. Este mecanismo inconsciente parece fundamentar-se na procura do equilíbrio de traços; darwinismo aplicado à atracção facial? Também se sabe que gostamos da simetria, mas isso fica para outro post.

Porque gostam os homens de loiras?
Podem argumentar que é cultural mas fiquem a saber que tem uma componente biológica. As loiras possuem um elevado nível de estrogénio, o que é um indicador de fertilidade e lá está, inconscientemente atraente para os homens. À medida que o nível de estrogénio vai baixando (idade, filhos), o cabelo vai escurecendo, por isso desconfiem das trintonas (e para acima) que se declaram como loiras verdadeiras.

Ainda convencidos que têm algum poder de escolha?
Vamos aprofundar então.

mencycle

Homens, próxima vez que estiverem com uma mulher, perguntem-lhe em que período do ciclo menstrual ela se situa. E calendarizem.

Estudos científicos demonstraram que as mulheres são atraídas por diferentes traços nos homens consoante estão no período fértil ou não. Preferem homens mais dominantes, com traços faciais mais masculinos como nariz grande quando estão férteis; são também mais viradas à traição durante esta altura. Por outro lado, preferem homens mais caseiros, com traços femininos como lábios grossos quando estão “calmas”. Este efeito também se verifica na quantidade de testosterona que elas possam ter. Ou seja, se tiverem mais testosterona do que o normal (infiram através dos pêlos, aptidões espaciais, conduzir decentemente, etc.) são também capazes de apreciar mais as características femininas nos homens em detrimento das masculinas.

carasmf

Caso tenham dúvidas, peguem numa cachopa que esteja no período fértil e peçam-lhe para escolher a cara que parece mais atraente. (direita – mais masculina)

Se os leitores homens se estiverem a rir nesta altura, então fiquem a saber que nós também não escapamos impunes aos efeitos nefastos do ciclo menstrual da mulher, chegando mesmo a afectar as nossas relações interpessoais, de acordo com este artigo.

Para finalizar este canto, feromonas.

De certo já ouviram dizer que num harem as mulheres convergem e sincronizam os seus ciclos menstruais?

Durante muito tempo este foi um assunto tabu; o ser humano era demasiado racional, demasiado celestial para ser afectado inconscientemente por substâncias que praí andam no ar, libertadas por outros seres humanos. Pois bem, agora já se começa a estudar e ver que pelos vistos, somos afectados sim.

O melhor exemplo é duma hormona chamada androstadienone (ou em português androstenediona, mas gosto mais do nome em inglês).

200px-Androstadienone_chemical_structure

A androstadienone é posta ao ar livre especialmente através das glândulas apócrinas situadas nas axilas e genitais. Já se havia identificado previamente esta substância no suor dos homens, mas ainda não se sabia bem para que servia. Desconfiava-se…

Até agora.

De acordo com este artigo, e este, a androstadienone desencadeia alterações fisiológicas nas mulheres, incluindo a nível hormonal, ou seja, por mais subtil que seja, elas ficam mais activadas sexualmente, alterando a própria percepção que elas têm dos homens (sobem todos um valor na escala de 1 a 10?).

Conclusão: suem para cima delas.

Outra vez, o mesmo aviso para os homens, não se comecem a rir, agora à pala do poder das feromonas, porque ficam a saber que existe uma outra feromona, rotulada como “CH503” que é “transferida” para o corpo delas quando o namorado lhes “vai lá”, exercendo um efeito anti-afrodisíaco. É curioso como a biologia-base do homem é egoísta. É dotado de grande apetite sexual e portanto quer espalhar a semente; mas por outro lado, liberta feromonas que “protegem” as fêmeas onde ele já foi, tornando a moça em questão mais resistente às próximas investidas por outro predador.

Canto III – amor

Primeiro o sexo; a seguir a atracção, e agora para acabar, o amor.

O que é o amor?

Uma das pioneiras neste campo foi a antropóloga Helen Fisher.
Com base neurobiológica, ela propôs 3 fases em relação ao amor, a saber:

a) fase do desejo
Marca o início do interesse e procura num parceiro sexual.
Responsáveis químicos: hormonas sexuais (estrogénio nas mulheres e testosterona nos homens).

b) fase da atracção
Quando nos apaixonamos e não nos conseguimos concentrar em mais nada senão naquela pessoa – obsessão.
Responsáveis químicos: feniletilamina (pode ser encontrada no chocolate!), que por sua vez modula:

feniletilamina

(Por excitação entenda-se aquela activação do sistema nervoso autónomo simpático – aceleração do batimento cardíaco, frequência respiratória, etc.)

c) fase de ligação
O chamado amor sóbrio.
Responsáveis químicos: oxitocina (hormona da confiança) e vasopressina (hormona da fidelidade).

É na passagem da fase de atracção para a de ligação que a maior parte das relações atravessa momentos críticos onde só uma percentagem modesta consegue sobreviver. Oh, vocês sabem. Aquela altura por volta dos 10-14 meses de namoro em que eles/elas simplesmente parecem perder a magia – o que antes vocês gostavam e achavam piada, passaram a achar insuportável e irritante. Basicamente, deixam de estar naquele avalon à pala da feniletilamina e vêem as coisas arrefecer, dando lugar à confiança e estabilidade, em detrimento da paixão.

Aconselho-vos também a lerem a teoria triangular do amor, proposta por Sternberg, para uma perspectiva conceptual do amor complementar à biológica supracitada.
Fica assim muito rapidamente, um esquema para ver se vos chama a atenção.

Triangular_Theory_of_Love

(link)

Depois disto tudo, ainda se acham 100% racionais no que toca ao amor, atracção e sexo? Existirá alguma dúvida que somos todos vítimas de um cocktail químico?

A pergunta será: seremos apenas influenciados ou completamente controlados?
Algum dia se saberá? Interessa saber?

Não me parece.
Afinal de contas, precisamos de utopias. (e telenovelas)

Qualquer coisa deixem escrito nos comentários.
Ah, e se tiverem tempo, preencham este inquérito para que a mentedesperta possa saber como melhor ir de encontro às vossas expectativas, obrigado.

mentedesperta.com / 28outubro2009


Artigos relacionados:

  1. dissecando a mentira e dissimulação #1
  2. a pílula altera as preferências das mulheres?
  3. dissecando a mentira e dissimulação #3
  4. os 8 tipos de sexo
  5. dissecando a mentira e dissimulação #2


9 comentários a “esmiuçando o amor e as leis da atracção”

  1. Tomate s diz:

    Muito bom post, interessante e cheio de conteudo.

  2. António Costa diz:

    Muito bom post. Parabéns

  3. Anna diz:

    Post excelente, interessantíssimo.

  4. DanielFL diz:

    Foi um post realmente destrutivo.

    Muito bom.. pena que ja acreditei nessa de amor..

    abraços.

  5. Eunos diz:

    Muito bom post… Parabens

  6. Joana diz:

    Bem, eu acho que este artigo é um bocado tendencioso. O que foi dito é verdade mas o amor não é isso. Uma pessoa pode sentir esses efeitos animalescos todos por alguém e não ter o mínimo interesse em satisfazê-los. Porque isso não é o suficiente. A atracção e o desejo físico não são o suficiente para algumas pessoas terem vontade de estar com outras. É preciso algo mais, e esse algo não é muito diferente de uma amizade. Aí deixa de interessar se as mamas são grandes, o rabo é isto ou aquilo, se há músculos ou não, etc. A base da relação é que conta, um entendimento, companheirismo, tal como nos amigos, que faz a diferença. É esse o amor que é diferente e que é bonito. Ou se calhar sou demasiado ingénua.

  7. Joana diz:

    “Por exemplo, o clitoris é constituído pelo mesmo tipo de tecido fibroso e eréctil que a glande do pénis, com a única diferença ser o tamanho, o que a meu ver, é a prova final que os homens são os preferidos pelas divindades.”

    Neste caso o tamanho é simplesmente responsável por os homens serem mais facilmente excitáveis e terem um orgasmo mais depressa. Por outro lado as mulheres têm orgasmos muito demorados, mais intensos e repetidos. Acho que as divindades querem é iludir os homens.

    “Elas já o eram, e também os homens estão agora impregnados e conspurcados por estas coisas do amor verdadeiro e a sua alegada inexplicabilidade.”

    Esta frase é completamente machista. O valor do amor é muito importante na sociedade. A questão é que amor não é sexo nem atracção. O amor existe pela família, pelos amigos, pelos animais, pelos seres no geral. Isso é importante e bonito. Uma pessoa acreditar que a sensação de amor é verdadeira não a consporca nem impregna, torna-a uma pessoa mais humana e menos besta. E não foram as mulheres que incutiram isso nos homens como que a educá-los. Os homens descobriram isso nas mulheres e deixaram-se fascinar por essa ideia, até enquanto as mulheres estavam a lutar para ser mais homens de modo a serem respeitadas na sociedade machista que existia e que infelizmente ainda continua a ser, embora mais disfarçada.
    A meu ver, as pessoas esquecem-se muito de onde as coisas vieram e acabam por tomá-las como garantidas e a desprezá-las.

  8. Joana diz:

    Ah, e mais uma coisa (ahaha), o facto de uma sensação ser resultado de um impulso hormonal não faz com que deva ser desprezada ou minorizada. Todas as nossas sensações são impulsos hormonais. O nosso Eu é o resultado de impulsos hormonais. Os seres humanos são diferentes, não por não serem comandados pela sua biologia, mas por conseguirem contorná-la conforme a sua força de vontade. Por exemplo: toda a gente já teve vontade de bater em alguém e não o fez porque é um acto condenável. E porque havia de ser? É assim que nós somos, animais! Pois é, mas nós somos capazes de ponderar as nossas acções. Somos capazes de ter fome e não roubar a merenda do vizinho por causa disso. Somos capazes de não andar constantemente à pancada uns com os outros (no geral). E não é porque as mulheres vieram amansar a grande e máscula virilidade dos senhores. É porque a civilização humana só funciona se houver respeito pelas liberdades alheias. A biologia não tem ética mas nós temos porque temos razão. Os valores que aprendemos são importantes. Sentir amor é importante, respeitar esse sentimento, por nós mesmos e pelos outros (porque o amor não acontece apenas num indivíduo), é importante também. Conclusão, o amor não é uma treta pirosa para as criancinhas poderem sonhar com príncipes e princesas. O amor existe na nossa biologia e existe também na nossa razão (sem estarem separadas uma coisa da outra). Essa é a beleza e essa é a magia.

  9. Edgar Garcia diz:

    Muito Bom o Post. Gostaria que falasse num contraponto com as loiras, um pouco sobre as mulheres de cabelos pretos, e os motivos do interesse dos portugueses e certos homens brancos pelas mulheres negras, especialmente as brasileiras.

Deixar um comentário